4 dicas para uma planilha de custos de e-commerce

Vender pela internet está entre as práticas que mais crescem, dia após dia. Isso se deve também à facilidade que o empreendedor encontra nesse ambiente. O baixo investimento inicial torna-se um chamariz. Porém, muita gente ainda se perde quando precisa tratar da gestão financeira do negócio.

Para gerir bem sua loja virtual, é preciso organização e controle dos gastos. Nesse contexto, você saberia como organizar uma planilha de custos para e-commerce? Acompanhe e veja como!

custos de e-commerce

1. Mantenha tudo em ordem

Misturar gastos pessoais com os da empresa ainda é muito comum, pois nem todos os empresários conseguem separar uma coisa da outra. Essa conduta pode gerar problemas financeiros sérios mais adiante.

A planilha serve para nortear o empreendedor sobre as suas despesas. Afinal, quando se tem tudo anotado, a visão dos gastos é mais real e isso gera maior controle.

2. Simplifique sua planilha de custos

Muita gente acaba se perdendo na hora de construir a sua grade de despesas, porque quer seguir um formato já conceituado à risca. Nessas horas é importante simplificar.

Para resolver isso, mantenha o foco naquilo que faz parte da sua realidade. Inicie colocando os meses do ano no Excel ou no software de sua preferência e inclua o faturamento, os custos fixos e variáveis, para melhor visualizar a sua margem de lucro no final.

3. Verifique todos os detalhes

Alguém já deve ter falado para anotar todos os seus gastos pessoais em um caderninho. Na sua loja virtual, você também vai seguir essa regra. Vale ressaltar que nem tudo o que se projeta para uma loja física entra no formato destinado ao e-commerce. Um exemplo disso, é o aluguel do ponto. Há empreendedores que utilizam o espaço de casa para realizar as suas transações de venda, mas isso muitas vezes não se configura como um gasto corporativo.

O que vêm a ser custos fixos?

Nesse conjunto, você vai considerar a mensalidade da loja virtual, manutenção de conta bancária, marketing, telefone, embalagem, internet, contador e a sua renda.

Se o seu trabalho é feito de casa e não há funcionários ou sócios, ótimo. Porém, se esse não for o caso, é importante incluir salários de colaboradores, aluguel de estoque ou escritório, além de água, luz, IPTU.

Quem é empreendedor individual também deve incluir o pagamento da taxa mensal, bem como outros impostos.

Quais são os custos variáveis?

Considere todos aqueles que dependem do seu volume de vendas ou produção. Por que isso? Simplesmente, porque estes têm uma ligação mais direta com aquilo que foi vendido. Diferentemente do primeiro, que não depende disso.

Nesse caso, entram para a lista os valores referentes ao frete, taxas de meios de pagamento, custo da mercadoria.

4. Reduza os custos com um bom controle

Os custos envolvidos na abertura e manutenção de uma loja virtual, certamente, são menores em relação aos de um estabelecimento físico. No comércio eletrônico, o empreendedor tem a chance de manter um negócio aberto por 24 horas, com maior exposição, sem que, necessariamente, tenha que pagar por isso. Mas em ambos os casos, controlar os gastos faz parte do contexto de uma gestão eficiente, o que dá uma visão clara para reduzir custos e minimizar desperdícios.

Depois que o primeiro passo é dado, ou seja, quando a estrutura da planilha de custos começa a ser organizada, as etapas seguintes tendem a ser mais tranquilas, visto que a manutenção traz organização e benefícios muito mais objetivos para o negócio virtual.

Fique por dentro de conteúdos que ajudarão você no crescimento de seu e-commerce: curta e nos acompanhe no Facebook!

Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *