logistica-para-e-commerce

Logística para e-commerce: o que sua transportadora precisa saber

Há quem diga que um bom produto e um bom preço são os principais fatores de sucesso para uma loja virtual. Porém, mesmo que eles sejam elementos importantes, a logística para e-commerce é um tanto mais decisiva.

Para ter um processo logístico de sucesso é preciso mais do que apenas planejar o percurso que leva o produto do estoque até as mãos de seu cliente. Você deve dar conta de fatores como entrega em dia, produtos em bom estado e entregues no local correto.

No atual cenário virtual, em que empreendedores estão investindo cada vez mais em e-commerces, esses são os elementos que definirão se o cliente voltará a comprar de você.

No início, estruturar e realizar as tarefas logísticas corretamente pode parecer uma tarefa simples e fácil de executar. Porém, à medida que a loja cresce e o número de pedidos aumenta, esse trabalho se torna mais complicado e os erros começam a aparecer.

Por isso, você e a sua transportadora devem estar totalmente alinhados em alguns processos. Quer saber quais são eles? Confira o nosso post de hoje!

logística-para-ecommerce

Fluxo de pedidos

Um dos pontos mais importantes da logística para e-commerce é a quantidade de pedidos que são feitos diariamente. É normal que grandes lojas virtuais sejam integradas com sua transportadora, agilizando o processo.

Para e-commerces que estão buscando o crescimento, uma ótima opção são os serviços intermediários de integração logística. Eles possibilitam que a empresa disponha de valores de frete mais competitivos.

Do momento em que o pedido é recebido até a entrega para o cliente, existe o chamado lead time, que é o tempo total que se leva para concluir todo o processo. Dentro dele existem as etapas de recebimento da solicitação, processo de separação, consolidação de cargas, expedição e, principalmente, o transporte.

Como o prazo para a execução de cada tarefa influencia diretamente no prazo final oferecido para o cliente, a transportadora precisa buscar meios de otimizar suas atividades e garantir a maior produtividade e eficiência possíveis. Nesse sentido, a etapa de distribuição deixa de ser um empecilho para a conquista de um lead time pequeno.

Algumas das soluções que podem ser adotadas e auxiliam nisso podem ser:

  • melhor organização do layout do armazém — o que facilita o processo de separação dos pedidos;
  • planejamento de rotas — ajuda a criar percursos inteligentes que levam em consideração todos os pontos de entrega, ao mesmo tempo em que se alcança a eficiência operacional, e a realizar o máximo de entregas no menor tempo possível, gastando somente o necessário.

Logística reversa

A lei dos direitos do consumidor no meio digital garante que o cliente possa fazer a devolução de seu produto até sete dias após recebê-lo — artigo 49 do Código de Defesa do Consumidor. Graças a isso, diariamente vários produtos são devolvidos no mercado e, pela legislação, esse processo deve ser feito sem ônus para o cliente.

Sendo assim, sua transportadora deve estar ciente de que todas as mercadorias com status de troca ou devolução precisam ser resolvidas para que a insatisfação do cliente seja revertida. Uma das melhores formas de aprimorar esse processo é por meio da logística reversa, que faz o fluxo inverso de um processo logístico normal.

Ou seja, a coleta é feita no ponto de destino e entregue novamente ao estoque da empresa. Para tal operação, pode-se aproveitar os veículos que estão realizando as entregas, fazendo com que esses recolhimentos permitam aproveitar ao máximo a capacidade do veículo — evitando que ele retorne vazio para a empresa.

Contudo, apesar de fazer o processo “contrário”, a logística reversa requer um planejamento para que funcione adequadamente. Isso é necessário para que se possa planejar as rotas, receber os itens e finalizar o processo — enviando o pedido correto ou devolvendo o dinheiro para o cliente — dentro do menor tempo possível.

Prazo de entrega

Não existe nada pior para o consumidor que um produto com atraso na entrega. Se não há um sistema integrando o seu negócio e a transportadora, você precisará de um controle manual dos pedidos para que eles saiam do seu estoque no prazo e cheguem antes do combinado às mãos do seu cliente.

Mais uma vez, o planejamento de rotas se faz fundamental. Aqui, o objetivo é fazer o envio dos pedidos dentro do prazo estimado para a entrega e otimizar os gastos com combustível, diminuindo, assim, os custos operacionais.

Vale ressaltar que o prazo de entrega pode ser um fator determinante para que o cliente feche ou desista de fechar o negócio. Isso faz com que seja necessário um cuidado ainda maior ao planejar os percursos, já que qualquer decisão pode impactar o tempo total de transporte e, de quebra, a sua rentabilidade.

Integridade do produto

Independente do tipo de produto que você vende, ele deve estar sempre bem embalado para que não sofra nenhum dano na hora da entrega. Por isso, é muito importante que você possua embalagens padronizadas — tanto para facilitar o transporte quanto para proteger e conservar o produto.

Sua transportadora também deve estar ciente desse aspecto para que o produto receba os devidos cuidados no processo de entrega.

Vale lembrar que existem contratos que resguardam a empresa embarcadora no caso de avarias causadas durante o transporte, o que é passível de multa. Ou seja, é possível que sua empresa tenha que arcar com os custos referentes aos danos das cargas.

Acompanhamento de KPIs na logística para e-commerce

Os indicadores-chave de performance (KPIs) são ferramentas de gestão que permitem avaliar a eficiência dos processos, Ou seja, por meio deles o gestor consegue identificar se suas decisões e os recursos empregados na realização das atividades são suficientes para conquistar os objetivos desejados.

No que diz respeito aos KPIs de transporte, pode-se acompanhar:

  • nível de serviço de entregas (total de entregas realizadas dentro do prazo);
  • índice de avarias e extravios;
  • quantidade de ocorrências de transporte;
  • custos.

Curva ABC na gestão de estoque

A gestão de estoque é um dos principais fatores para um e-commerce de sucesso e um dos maiores custos logísticos, acompanhado do transporte.

O excesso de estoque pode impactar nos custos e, ainda, existe a possibilidade do produto se tornar obsoleto, algo que é muito comum no setor de moda, por exemplo, em períodos de mudança de estação, ou depois de períodos sazonais.

Para minimizar esse problema é importante adotar técnicas como a Curva ABC.

Essa é uma metodologia que visa classificar o estoque em três partes:

  • “A” são os 20% dos produtos mais vendidos, que geralmente representam 80% do volume;
  • “B” são os produtos com venda média. Estes representam 15% do volume de vendas e cerca de 30% do total de produtos;
  • “C” são os produtos de baixo giro, representam muito em volume, cerca de 50% do estoque, mas com representatividade de venda de aproximadamente 5%;

Com a classificação pronta você terá clareza de quais itens nunca devem faltar no estoque e até quais tipos de veículos usará.

Isso tornará a sua operação mais veloz, reduzindo o lead time e garantirá que nenhuma venda seja perdida ou o pedido atrase porque não existia estoque suficiente.

Uso da logística como vantagem competitiva

Um dos principais influenciadores de compra no e-commerce é o tempo de entrega. Muitos clientes desistem de comprar em uma loja virtual porque não querem esperar dias para poder receber e usar o produto e, muitas vezes, pagam mais caro para comprar o produto em uma loja física.

Esse fator é tão decisivo que alguns e-commerces, como a gigante Amazon, oferece opções de entrega em até 2 horas para algumas localidades, além de testar outros meios de entrega mais rápidos como por meio de drones.

A logística eficiente significa equilibrar custo, tempo de entrega e qualidade. Quanto maior esse equilíbrio, maior será a sua vantagem frente aos concorrentes e mais clientes fiéis a sua marca terá.

Escolha o operador logístico certo

Como vimos até agora, a cadeia logística engloba processos que vão desde a aquisição do produto junto ao fornecedor, passa pelo fluxo do pedido, gestão de estoques, entrega, logística reversa, acompanhamento de KPIs, entre outros.

Qualquer falha em um desses processos pode comprometer tudo. Portanto, a escolha do operador logístico deve ser estratégica.

Ele precisa contar com um sistema robusto e que se integre facilmente ao e-commerce. As informações devem ser trocadas em tempo real, permitindo o acompanhamento do status de cada etapa do processo.

Além do sistema é preciso verificar se a empresa possui estrutura para atender a demanda com qualidade e velocidade, se possui expertise e qual a sua reputação no mercado.

Não esqueça também de analisar o preço, embora não deva ser o principal fator, pode ser preponderante para manter o custo dos seus produtos competitivos.

Viu como a logística para e-commerce é um fator delicado e pode ser um dos principais motivos para o fechamento de uma loja?

Se você tem um pequeno e-commerce e busca o crescimento e a otimização de processos, uma excelente opção é optar por serviços intermediários de integração. Fazendo isso, você não só abrirá novas oportunidades para o seu negócio, como também aumentará as vendas de sua loja.

Caso você tenha alguma dúvida sobre como fazer essa integração ou como otimizar o seu processo logístico, deixe um comentário aqui!

Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

2 comentários em “Logística para e-commerce: o que sua transportadora precisa saber

  1. Olá Alexandre,
    A limitação de tamanho de caixas e pesos quem irá estabelecer é a transportadora que você irá trabalhar. O Frenet fará a integração de sua loja virtual à transportadora de sua preferência respeitando todas as limitações, abrangância e restrições desta.
    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *