Gateway: o que é e como funciona?

Com a popularização da internet e das telecomunicações em geral, as pessoas passaram a utilizar os recursos de rede, como o gateway, de forma automática e natural. São raros os casos de usuários que buscam entender o funcionamento e o que acontece “por trás” dos navegadores e computadores pessoais.

No entanto, é interessante conhecer um pouco sobre como a coisa toda funciona, até mesmo para identificar possíveis anomalias que possam comprometer a estrutura de TI utilizada.

Neste post, vamos falar sobre um recurso pouco comentado, ainda que esteja presente em todas as topologias de acesso à internet: o gateway. Continue a leitura para saber do que se trata, como funciona e para que serve essa ferramenta!

gateway

O que é um gateway?

Em uma tradução livre do inglês, um gateway poderia ser classificado como “portal” ou “portão”. Em resumo, uma passagem entre dois ambientes distintos.

A tradução do termo é exatamente o que ele significa: um equipamento encarregado de estabelecer a comunicação entre duas redes, respeitando protocolos específicos e tomando determinadas ações necessárias para o correto funcionamento da comunicação entre as duas pontas.

Grosso modo, o funcionamento do dispositivo é bastante simples. Ele faz o papel de ponte entre as redes, analisando e tratando as informações de acordo com as definições preestabelecidas e o tipo de função a que se destina.

Para que ele serve?

Uma das funções centrais de um gateway é organizar o tráfego de informações entre um equipamento final (computador, notebook, smartphone, tablet, etc) e a internet.
Naturalmente, o dispositivo é utilizado também para prover recursos de segurança, controlando as informações que entram e saem da rede interna.

Outra atribuição dos gateways é “traduzir” as informações entre redes heterogêneas. Isto é, permitir a comunicação entre diferentes ambientes e arquiteturas. Assim, a ferramenta é capaz de converter os dados entre sistemas diferentes, de modo que cada lado seja capaz de “entender” o outro.

Quais são os exemplos de gateway?

Um roteador, equipamento bastante utilizado em redes domésticas, é um bom exemplo de gateway.

Embora vários dispositivos possam acessar a internet usando a mesma rede de uma residência, o roteador é, na verdade, o único dispositivo com acesso direto à internet. As demais conexões têm que passar por ele para obter acesso à rede mundial.

Outro exemplo comum, embora um pouco mais técnico, é o firewall. Atuando como “filtro” para os dados que trafegam pela rede, esse dispositivo atua exatamente como um gateway de segurança para os equipamentos e dados.

Existe gateway para e-commerce?

As empresas de e-commerce também têm, nesse conceito, um forte aliado — e muitos o utilizam sem sequer se dar conta. Porém, é graças a esse conceito que muitos processos dentro do e-commerce ocorrem.

De maneira geral, o gateway viabiliza contatos rápidos e seguros entre o consumidor e a empresa. Além de também potencializar a comunicação da empresa de e-commerce com suas parceiras, como é caso das transportadoras e instituições financeiras.

Agora que você já sabe que existem gateways para e-commerce, vamos a alguns exemplos práticos de aplicação, dentro das plataformas de comércio eletrônico:

Gateway logístico

Muitos e-commerces ainda costumam confundir ou considerar o gateway logístico como sinônimo de gateway de frete. Embora tenham algumas semelhanças, na realidade, são conceitos distintos.

O gateway logístico é uma solução tecnológica mais abrangente, está relacionada a toda a cadeia logística do e-commerce e, não apenas, no transporte em si. Dentre as suas principais vantagens estão:

  • acompanhamento de abandono de carrinho em razão de rotas;
  • auxílio na negociação com transportadoras;
  • redução de custos logísticos;
  • mensuração da eficiência de transportadoras.

Gateway de fretes

Essa é a ferramenta que estabelece a ligação entre as plataformas de gestão das lojas online com as empresas transportadoras. É ela quem disponibiliza, ao lojista virtual, diferentes opções de transportes para o seu negócio.

Na prática, esse é um processo automático — pelo menos para o consumidor. No momento da compra, o cliente informa o seu CEP e o sistema do gateway se encarrega de consultar as informações cadastradas no banco de dados. Então, apresenta as opções de frete disponíveis e os valores. Cabe ao cliente apenas definir o que melhor lhe atende.

Diferença entre gateway e TMS logístico

Costuma haver uma certa confusão na hora de definir qual a melhor solução a ser utilizada em um e-commerce.

O TMS (Transportation Management System) atua com foco no processo de distribuição, realizando o controle de toda a operação e gestão de transportes. Por outro lado, o gateway de fretes é uma ferramenta que garante a gestão de entregas, por meio de cálculos precisos de preços e prazos.

Outra diferença fundamental está no fato de que o TMS busca atender às necessidades do backoffice, enquanto o gateway opera com base em informações que influenciam, principalmente, a etapa de conclusão da compra no e-commerce.

Gateway de pagamentos

Outro gateway presente em grande parte dos e-commerces é o de pagamento. Essa é uma ferramenta que facilita muito o processo de compra e venda, em ambientes virtuais.

Os gateways de pagamento fazem a ponte entre a loja e as instituições financeiras responsáveis por processar os pagamentos realizados pelos clientes.

Hoje, grande parte das vendas online é feita na modalidade de cartão de crédito e também por boleto bancário. Ambas as modalidades necessitam de confirmação rápida, por parte da instituição, já que a agilidade nas compras é um diferencial do e-commerce.

No caso dos cartões de crédito, essa avaliação de crédito e confirmação da compra é feita quase que de forma instantânea, graças ao gateway de pagamento. No momento em que o cliente fornece os seus dados pessoais e do cartão, o sistema já se comunica com o banco e faz a verificação, liberando ou não a compra.

No caso dos boletos, o processo também é automático. Porém, leva mais tempo. Pois a financeira necessita fazer a compensação do documento para, só então, comunicar à loja para prosseguir com a venda.

Por que o gateway é tão importante no e-commerce?

Vimos que, hoje, as lojas virtuais utilizam gateways em etapas fundamentais do processo de vendas. Sem eles, seria muito mais lento e burocrático realizar compras por meio de plataformas online.

Nesse contexto, os gateways exercem um papel crucial nessa modalidade de comércio. Além de tornar a comunicação de dados entre um ponto e outro muito mais segura, ainda melhora significativamente a comodidade, agilidade e transparência, na hora de realizar compras em um e-commerce.

O diferencial de confirmar a compra rapidamente, saber o prazo médio de entrega e o custo do frete são itens altamente relevantes e determinantes na hora de fechar uma compra — razões que fazem o gateway ser tão importante para o e-commerce.

Gostou do post? Quer conhecer mais sobre esse e outros assuntos relacionados? Siga nossos perfis nas redes sociais — Facebook e Linkedin — e esteja sempre bem informado sobre as nossas novidades!

Compartilhe!Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *